Neste blog, mais imagens do que palavras...
A fotografia é uma paixão que não requer ser cultivada, tão somente alimentada, pelo que uma imagem vale mais do que mil palavras!

In this blog, more pictures than words ...
The photography is a passion that does not require to be cultivated, nourished solely by that one picture is worth a thousand words!

Seguir este blog

sábado, 18 de novembro de 2017

💚A vontade leva-nos a todo o lado! Felizes dos que caminham a nosso lado e nos fazem também feliz🚂

Entre junho e julho é possível fazer esta viagem em comboio (trem) histórico em pleno coração do Douro entre Régua e a Foz do Tua.
Este ano já terminaram as viagem, mas marquem, na agenda, vale bem a pena um passeio pela mais antiga Região demarcada do Mundo e que por sinal é Partimónio da Humanidade!
Vir, ver e desfrutar é o melhor remédio e não é sinónimo de arrependimento!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Passadiços do Paiva - A caminhada ao encontro da natureza. Porque ir e ver, é o melhor remédio...

Finalmente chegou a hora de acorrer a este cenário à muito prometido e ansiado. Os Passadiços do Paiva localizam-se na margem esquerda do Rio Paiva, no concelho de Arouca, distrito de Aveiro. São cerca de 8,7 kms que proporcionam um passeio "intocado", rodeado de paisagens de beleza ímpar, junto a descidas de águas bravas, cristais de quartzo e espécies em extinção na Europa. O percurso estende-se entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, encontrando-se, entre as duas, a praia do Vau. Uma viagem pela biologia, geologia e arqueologia que ficará, com certeza, no coração, na alma e na mente de qualquer apaixonado pela natureza.













Porque em grupo é ainda mais divertido eramos 25 e valeu a pena em época de outono e seca. Começamos em Areinho pelo estudo feito de ser mais suave e foi um dia em cheio culminando com uma "Posta Arouquesa" por terras de Alvarenga, denominada nas placas locais de "Capital do Mundo" ou será que se esqueceram de colocar o "fim" na frase? Rsrsrss..... O melhor mesmo é ver algumas imagens já que elas falam por si!

sábado, 11 de novembro de 2017

"O Lamego" e a sua fonte


Colocada no alto do fontanário do mesmo nome, representa um guerreiro em postura altaneira, com elmo, segurando na sua mão direita uma alabarda e com a mão esquerda um escudo que ostenta as armas de Lamego. Na sua base tem a inscrição Lamego.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

A Santinha Aparecida

Poucos terão conhecimento mas no concelho de Lamego, mais em concreto em Lalim, existe uma Santa que está exposta aos olhos de todos quantos a visitam. É denominada de Santinha Aparecida. Está depositada numa capela anexa à Igreja de Santa Maria Maior de Lalim.
Consta-se que o seu aparecimento ocorreu no cemitério que é hoje o adro da igreja, debaixo de uma oliveira, em frente à porta travessa, local onde terá sido anteriormente enterrada.
Por volta de 1894, dizem ter havido uma epidemia, que vitimava muita gente. O coveiro ia então de noite abrir covas, para, de manhã enterrar as vítimas. Morreu nesta altura um senhor chamado José Pombinho, e, por isso, o coveiro, Senhor António Gordo, abriu uma cova, onde ainda se encontrava intacto outro cadáver. A mulher do defunto Sr.ª Maria do Freixo, não consentiu que o marido aí fosse enterrado, pois aquele corpo intacto podia ser de alguma excomungada. Assim, o Sr. José Pombinho foi enterrado noutro lugar.
Como diziam que o corpo era de uma excomungada, fizeram-lhe vários delitos, arrastando-a em procissão à volta da igreja, originando então ferimentos que ainda hoje se encontram no seu corpo. Mas o padre acreditou e consentiu que o seu corpo fosse levado para a sacristia. As pessoas piedosas é que trataram dela. Quando apareceu, tinha a cara cheia de terra e uma senhora muito religiosa, de nome Maria Teodora, lavou-lha com uma escova. Como ficou bastante estragada, cobriram-na depois com cera, ficando com a cor que ainda hoje tem.
Não deixava despir a roupa de dentro e ainda tem uma liga de burel numa coxa que nunca deixou, nem deixa tirar, tendo também um braço partido devido às raízes da oliveira onde caía a água em cima.
Veio depois o padre Eduardo, que tinha um cancro na língua e para saber se ela era santa, “chamou-se” a ela. Logo o cancro desapareceu. Mas, porque depois queria “vender” o corpo da santinha para Cambres, de novo lhe apareceu a enfermidade e disso morreu.


Desde o seu aparecimento que logo se ouviram uns "zuns-zuns" – ora é santa, ora não é santa! O seu aparecimento tornou-se mais conhecido pelo seguinte facto: 

O Manuel Carneiro dizia a um homem de Cambres que aqui vinha medir vinho que tínhamos uma santa em Lalim. Este respondeu que só acreditava se encontrasse a sua mãe, que já estava há muito tempo paralisada, sentada à mesa, quando chegasse a casa. E assim aconteceu. O milagre espalhou-se e as pessoas começaram a vir de todos os lados. Tiravam então bocadinhos de tecido e mesmo de carne, que levavam como relíquia e recordação da Santa de Lalim.
Tem hoje o nome de Santinha Aparecida, porque ninguém sabe o seu nome ou a família a que pertencia.

domingo, 29 de outubro de 2017

O AMOLADOR AINDA EXISTE...

...antigamente, também era reparador de sombrinhas, é um comerciante ambulante e desloca-se numa bicicleta para oferecer seus serviços de amolar facas, tesouras e outros instrumentos de corte.
A bicicleta tem sido modificada de forma que em sua parte traseira leve montada o esmeril mecânico com uma pedra de amolar a qual emprega-se para amolar os objetos cortantes. Anda por todo o lado e para anunciar sua proximidade usa uma flauta de pã de canos ou plástico como apito, chamada em espanhol de chiflo, a qual sopra fazendo soar suas tonalidades consecutivas, de grave a aguda e vice-versa.
Alentejano, natural de Montemor-o-Novo, o sr. António percorre o país mantendo viva uma arte em vias de extinção!

sábado, 21 de outubro de 2017

Um dia em Paris 💚💯✌... Sacré Cour e Montmartre, Le mur des je t'aime, Moulin Rouge, Arco do Triunfo, Campos Elísios, Praça da Concórdia, Museu do Louvre... 💚💯✌ (Parte I)

Paris é uma cidade intensa, a vários níveis. Apetece sempre lá voltar. Motivo pelo qual não resisto em partilhar algumas das maravilhas que os meus olhos contemplaram até uma próxima visita e, penso será do agrado de todos quantos um dia pretendem visitar, mas também de todos quantos já visitaram e recordam ou ficam a conhecer um ou outro "recanto" da denominada "cidade luz".
Sacré Cour, em Montmartre um local "mágico" assim como toda a sua grande área envolvente, um dos locais de Paris que não deixa ninguém indiferente e pelo qual facilmente nos deixamos apaixonar. A começar pela simplicidade de num dia diferente a nível gastronómico, provando as famosas baguetes francesas e em plena escadaria a saborear enquanto se admirava Paris a perder de vista...
Interior da Basílica do Sacré Cour
As ruas próximas, um ambiente espetacular, incrível!
A subida à cúpula é compensadora por uma das melhores vistas sobre Paris a 360º

Uma panorâmica abrangente e maravilhosa em que entre outras coisas, podemos contemplar a torre de Montparnasse e a torre Eifel!

Aqui estão, a torre de Monparnasse, e a torre Eifel, outros dos locais que num outro dia será apresentado e que vale a pena.

A zona "alta" a nível de construção de Paris, provavelmente a zona financeira.

Também de Montmartre se vê "la belle", a Torre Eifel.
Paris é também a capital do amor pelo que nada mais lógico se não passar por Le mur des je t'aime, um local muito interessante em que o próprio muro tem inscrito, as diversas formas de escrever "amo-te" nas mais variadas línguas.
Ao contrário de outros muros que separam pessoas e locais, este é um muro de união, razão pela qual nos cruzamos com as mais variadas culturas e etnias.
Para quem tem bilhete diário de metro, também pode usufruir do funicular de Montmartre.

Uma inevitável passagem diurna pelo Moulin Rouge...
Provavelmente um dos mais intensos locais da cidade dedicado às artes. Uma zona que nos cativa de corpo e alma... 

Uma viagem de metro e chegada ao monumental Arco do Triunfo. Deva-se dizer que também tive a oportunidade de conduzir nesta imensa rotunda. Uma das mais intensas experiências de condução, com muita adrenalina à mistura, aliás, conduzir pelas ruas e avenidas de Paris, não estará nas perspetivas de muitos, mas tive essa oportunidade, sem receios e foi TOP!
Avenida dos Campos Elísios vista da Praça da Concórdia.

Aqui a vista inversa,  da mesma avenida, vista do Arco do Triunfo para a Praça da Concórdia.
Percorrer esta avenida toda a pé, ir às lojas famosas, presenciar o movimento é algo impressionante!

Praça da Concórdia.

...e as suas fontes!
Chegada ao Museu do Louvre, mais um lugar emblemático não sem antes percorrer o Jardim des Tuileries...
Resumidamente este foi um de vários dias (muito bem) passados em Paris. Um roteiro preparado ao pormenor e que terminou com algum cansaço (Nada que um reconfortante hotel não podesse recompor!) e uma "chuvita", mas com uma enorme satisfação de gozo e felicidade! 💚💯✌